Escola de Música da AMC

Associação do Movimento de Compositores da Baixada Fluminense

Sobrenatural

Uma jornalista, de conceituado jornal, nos ligou para fazer uma entrevista por telefone. Lá pelas tantas, a diretora da escola falando do trabalho, citou o nome de alguns grandes mestres como por exemplo: Pixinguinha, Chiquinha Gonzaga, Cartola, Nelson Cavaquinho, Ataufo Alves. Do lado de lá a jornalista quis saber se estas pessoas iam com freqüência à Escola de Música para tocar junto com os alunos.

Surpresa

Fomos, com alguns alunos, assistir um espetáculo de dança no Teatro Cacilda Becker. Depois de atravessarmos toda a Linha Vermelha, dentro de uma Kombi - que não era lá essas coisas - debaixo de um temporal, um calor infernal e um medo enorme de ver a pista enchendo, enchendo, enchendo, chegamos ensopados ao Teatro. Imediatamente fomos avisados que não haveria espetáculo pois o Teatro estava alagado. O que fazer com as crianças ?!?!? Fomos a uma bela livraria! Logo que entramos as pessoas ficaram um pouco assustadas. Começaram a cochichar e observar, desconfiadamente, os meninos. Alguns se retiraram. Perderam! Logo, logo as crianças começaram a descobrir os títulos e foi um encantamento. Foi um alvoroço grande. Era um tal de Chiquinha Gonzaga, Pedro Bandeira, Drummond, Tom Jobim,... Um mostrando ao outro a beleza dos livros, a felicidade e a intimidade com estes personagens. Eles discutiam informações, acrescentavam dados, cantarolavam as partituras, conheciam as

fotos antigas, ... Foi emocionante! Todos queriam saber de onde saíram aqueles meninos?

Preconceito?!? Existe?

 

Recebemos uma verba para compra de instrumentos. Resolvemos levar alguns alunos, primeiro para que conhecessem o encantamento de uma loja de instrumentos musicais, segundo porque estávamos muito felizes com essa compra e queríamos partilhá-la com as crianças. 

1ª loja: o vendedor nos disse que não poderia tirar o instrumento da vitrine, em seguida disse-nos que os instrumentos que estávamos escolhendo não eram os mais baratos, por isso não adiantava nos mostrar. Depois de muita insistência resolveu trazer um violão, mas logo que chegou foi avisando que ninguém poderia encostar a mão senão poderiam sujá-lo. Ficamos olhando o instrumento na mão do vendedor e perguntamos como alguém pode comprar um instrumento se não pode tocá-lo? Ele guardou o instrumento e foi atender outra pessoa. 

2ª loja: um dos alunos pediu a vendedora para experimentar um cavaquinho. A resposta foi que ninguém poderia experimentar os instrumentos. Olhamos em volta e todos as pessoas estavam experimentando os instrumentos que pretendiam comprar. Óbvio! Desta vez já estávamos um pouco aborrecidos e resolvemos exigir os instrumentos. Pegamos dois violões, dois cavaquinhos, um pandeiro. Os meninos fizeram uma bela Roda de Choro no meio da loja e foram muito aplaudidos. Claro que não compramos nesta loja! 

3ª loja: fomos muito bem atendidos. Todas as crianças experimentaram vários instrumentos e saímos de lá com vários bons instrumentos. Alguns dias depois nossa Diretora esteve na 1ª loja e o vendedor, ironicamente, perguntou-lhe o que havia comprado para as crianças. Como ela ainda estava com as notas fiscais, mostrou-as. 
O vendedor, espantado, fez a seguinte observação:

"- Com aquelas crianças... eu hein!!!"

apoio